Quinta-feira,Abril 18, 2024
12 C
Castelo Branco

- Publicidade -

A coroação do Rei Carlos III

A coroação do Rei Carlos III e da Rainha Camila custa 6 milhões de euros para três dias de cerimónias, que terão vários palcos, sendo o principal a Abadia de Westminster. Nos convites de casamento, o casal real, é apenas mencionado pelos nomes de Rei Carlos III e Rainha Camila. O apelido Parker Bowles desaparece e o título de Rainha Consorte embora tenha que se manter, ficou tudo resumido a Rainha Camila.

A coroação do Rei Carlos III
DR

Assim, “na manhã da Coroação, sábado, du 6, Suas Majestades vão viajar do Palácio de Buckingham, na Procissão do Rei, para a Abadia de Westminster, no Diamond Jubilee State Coach — que foi criado em 2012 para o Jubileu de Diamante da Rainha Isabel II”, é referido.

Este desfile vai ser acompanhada pela escolta do Sovereign’s Escort of the Household Cavalry e vai passar pelo Mall, Admiralty Arch e pela Praça Trafalgar, descendo Whitehall e ao longo da Rua do Parlamento até à Abadia de Westminster. A cerimónia religiosa e solene será celebrada pelo Arcebispo da Cantuária.

Carlos III usará mantos de veludo de seda vermelho forte, ou carmesim, e roxo em sua coroação no próximo sábado, 6 de abril. As vestes já foram usadas por seu avô, o rei George VI, em sua própria coroação em 1937, informou o Palácio de Buckingham.

Coroado o rei, a Procissão de Coroação sai da Abadia de Westminster para o Palácio de Buckingham pelo mesmo percurso e “contará com Forças Armadas de toda a Commonwealth e dos Territórios Britânicos Ultramarinos, e todos os serviços das Forças Armadas do Reino Unido”

A coroação do Rei Carlos III
DR

Depois da cerimónia de coroação, que deverá durar cerca de uma hora, Carlos e Camila vão viajar no Gold State Coach, que foi encomendado em 1760 e utilizado pela primeira vez pelo Rei Jorge III para viajar para a Abertura do Parlamento do Estado em 1762″. Além disso, esta é a carruagem que “tem sido utilizada em todas as Coroações desde a de Guilherme IV em 1831”.

- Publicidade -
A coroação do Rei Carlos III
DR

Será neste passeio por Londres que o povo britânico já acenará a Suas Magestades já oficialmente coroadas, pormenores que são sempre protocolares da tradição real britânica. Depois regressam ao Palácio de Buckingham, onde a festa conta com cerca de dois mil convidados.

Ainda que não se conheça a lista final para a coroação de Carlos III, já se sabe que a Abadia de Westminster vai receber líderes políticos, monarcas e representantes da sociedade civil que retratam a diversidade do Reino Unido.
Entre eles estarão membros da família real britânica, incluindo os mais jovens.

Além do filho maus velho, o príncipe William e Kate, o príncipe George, de 9 anos, o mais velho dos três filhos do casal, será um dos quatro pajens a acompanhar o Rei.

Vários outros membros da realeza já confirmaram presença, como o príncipe Albert de Mónaco e o príncipe Fumihito e a sua esposa, Kiko, da família imperial japonesa.
Do lado de Camilla, sabe-se que parte da sua família, fruto de seu primeiro casamento com Andrew Parker Bowles, também está incluída na lista — o que foi visto como uma tentativa de retratar uma imagem moderna de família. Assim, a coroação terá a presença dos seus dois filhos, Tom Parker Bowles e Laura Lopes. Três dos seus netos, Gus, Louis e Freddy, estarão entre os pajens que a acompanharão, juntamente com o seu sobrinho-neto Arthur.

Embora sejam esperados vários líderes europeus, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, “informou” o Rei, numa conversa telefónica, que será representado pela sua esposa, Jill Biden. De acordo com autoridades britânicas e americanas, esta decisão está de acordo com o precedente, já que nenhum presidente dos EUA jamais compareceu à coroação de um soberano britânico.

A Casa Branca insistiu que a ausência de Biden, conhecido pelas suas raízes irlandesas, “não é uma desconsideração”, já que o presidente e o Rei têm um “bom relacionamento” e Biden aceitou o convite de Carlos III para fazer uma visita de Estado ao Reino Unido.

Entre os líderes europeus, estará o Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa. Do Brasil, presença já confirmada e o presidente Lula da Silva.

DR

Harry presente mas sem Megan

Após as polémicas que envolvem Harry e Megan, pairava a dúvida sobre a presença do casal, que foi morar nos Estados Unidos em 2020 e mantém relações tensas com a família real. A questão agitou a imprensa britânica após a exibição da série documental na Netflix e a publicação da biografia de Harry em janeiro.

A 12 de abril, as dúvidas terminaram. “O Palácio de Buckingham tem o prazer de confirmar que o duque de Sussex comparecerá ao serviço de coroação na Abadia de Westminster. A duquesa de Sussex permanecerá na Califórnia com o príncipe Archie e a princesa Lilibet”, foi referido em comunicado.

O lanche do grande dia é uma quiche de espinafres, favas, estragão e queijo cheddar. É claro que não faltará um chá real britânico.

DR

Segurança ao máximo mas moderada

Cerca de 30 000 policias patrulharão as ruas de Londres para a coroação do Rei, este sábado. É a maior cerimónia realizada na capital britânica em 70 anos, e às autoridades afirmam estar bem preparados para lidar com qualquer incidente.
As forças de segurança passaram meses a preparar-se para o evento, ao qual comparecerão cerca de 100 chefes de Estado, além de uma grande multidão de espectadores. Milhares de militares participarão de uma procissão.

No entanto, manifestações também são previstas por britânicos anti-monarquia na Trafalgar Square e ao longo da rota da procissão.. “Não vamos atirar nada, para além das nossas vozes, e não vamos perturbar nada para além da campanha de comunicação deles”, garanti Graham Smith, da organização.

Já os mais indiferentes à realeza e mais mais preocupados com as condições de vida das populações, têm por hábito atirar ovos ao Rei, embora conste que nunca Carlos foi realmente atingido.

- Publicidade -
Manuela Teixeira
Manuela Teixeira
Jornalista Durante 35 anos com experiência em rádio, imprensa escrita e web jornalismo. trabalhou no jornal, Público, rádio TSF, Expresso, 24 Horas e Correio da Manhã, entre outros OCS. Como repórter foi correspondente à guerra na Bósnia, Kosovo e Timor. Só faz jornalismo com verdade, rigor e isenção. "Se não for assim, não é jornalismo!”

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor