Quinta-feira,Abril 18, 2024
12 C
Castelo Branco

- Publicidade -

China anuncia exercícios militares no estreito de Taiwan

O exército chinês anunciou este sábado dois dias de manobras militares de “preparação para o combate” no estreito de Taiwan, na sequência do encontro da líder Tsai Ing-wen com o presidente da Câmara dos Estados Unidos, Kevin McCarthy.

“O teatro de operações Leste do Exército Popular de Libertação vai organizar entre 8 e 10 de abril um exercício de preparação para o combate, no estreito de Taiwan, nas partes a norte e a sul da ilha, e no espaço aéreo a leste da ilha de Taiwan”, indicou, em comunicado, o exército chinês, sem avançar uma localização exata.

Na segunda-feira, serão realizados exercícios com fogo real próximo das costas de Fujian (leste), província situada em frente à ilha.

O Comando do Teatro Oriental das forças armadas chinesas anunciou os exercícios descrevendo-os como “um sério alerta contra o conluio das forças separatistas de Taiwan com forças externas e um movimento necessário para defender a soberania nacional e a integridade territorial”.

O exército chinês anunciou este sábado dois dias de manobras militares
DR

Apelidados de “United Sharp Sword”, devem contar com “patrulhas prontas para o combate e exercícios dentro e ao redor do Estreito de Taiwan, e ao norte, sul e leste de Taiwan e o mar e o espaço aéreo conforme planeado”, disse o Coronel Shi Yi, do Comando de Teatro Oriental do Exército de Libertação Popular (PLA, na sigla em inglês).

O Ministério da Defesa taiwanês disse ter detetado na manhã deste sábado três barcos de guerra e 13 aviões chineses em redor da ilha, acrescentando que “quatro [aviões] atravessaram a linha mediana do estreito de Taiwan e entraram na parte sudeste da zona de identificação de defesa aérea (Adiz) de Taiwan”.

- Publicidade -

O Ministério alertou que os exercícios militares chineses ameaçam a “estabilidade e a segurança” regionais.

Na quinta-feira, Pequim tinha condenado a estadia da líder de Taiwan nos EUA, onde manteve um encontro com o presidente da Câmara dos Representantes norte-americano, Kevin McCarthy, e acusou Washington de “conluio” com Taiwan, ao mesmo tempo que garantiu “medidas resolutas e eficazes para salvaguardar a soberania e a integridade territorial”. Estas manobras vão também incluir “patrulhas de polícia”, acrescentou.

Depois do encontro de Tsai e McCarthy, o Governo chinês enviou navios de guerra, um helicóptero e um avião de combate para o estreito de Taiwan, e anunciou sanções contra a representante de Taiwan nos EUA, Hsiao Bi-khim, e contra o Instituto Hudson e a Biblioteca Presidencial Ronald Reagan.

Horas depois, uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês afirmou, em conferência de imprensa, que “alguns países” apoiam “a independência de Taiwan, em nome da democracia” e para “usar a ilha como forma de conter a China”, algo que descreveu como “perigoso e condenado ao fracasso”.

“O futuro de Taiwan está na reunificação e o bem-estar do seu povo depende do rejuvenescimento da nação chinesa”, disse Mao Ning, acrescentando que as “diferenças entre os sistemas de ambos os lados do estreito [de Taiwan] não são um obstáculo à reunificação”.

Tensão com os EUA

Em agosto passado, depois de uma visita à ilha da ex-presidente da Câmara dos Representantes do Congresso dos EUA Nancy Pelosi, Pequim lançou exercícios militares numa escala sem precedentes, que incluíram o lançamento de mísseis e fogo real.

A China impôs também sanções a Pelosi e suspendeu o diálogo com os EUA em várias áreas.

Desde que Tsai chegou ao poder, em 2016, as autoridades chinesas têm procurado isolado diplomaticamente a ilha, com perto de 23 milhões de habitantes. Tsai Ing-wen pertence a um partido que defende tradicionalmente a independência de Taiwan, uma linha vermelha absoluta para Pequim.

A ilha é um dos maiores motivos da tensão entre a China e os EUA, principal fornecedor de armas a Taiwan.

Em 1949 e após a derrota contra o Partido Comunista, na guerra civil chinesa, o Governo nacionalista refugiou-se na ilha, que mantém, até hoje, o nome oficial de República da China, em contraposição com a República Popular da China, no continente chinês.
Pequim considera a ilha parte do seu território e ameaça a reunificação através da força, caso Taipé declare formalmente a independência.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor

16.04.2024