Terça-feira,Junho 18, 2024
15.9 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Governo demite CEO da TAP por justa causa

Christine Ourmières-Widener e Manuel Beja foram exonerados da liderança da companhia aérea. Ministro das Finanças diz que está na hora de “virar a página” após o caso Alexandra Reis.

O ministro das Finanças, Fernando Medina, anunciou esta segunda-feira a exoneração de Christine Ourmières-Widener de diretora executiva da TAP, bem como de Manuel Beja, presidente do conselho de administração da companhia aérea.

De acordo com Fernando Medina, o Estado invoca justa causa e não vai indemnizar Christine Ourmières-Widener e Manuel Beja, que foram agora exonerados da companhia aérea.

ex CEO Christine Ourmières-Widener
João Goulão/Lusa

Em conferência de imprensa onde esteve também o Ministro das Infraestruturas, João Galamba, Medina falou no “virar da página” e que o importante é que se “recupere os laços de confiança da TAP com o país, que devolva sobriedade às práticas da empresa, que prossiga à aplicação do plano de reestruturação de forma eficaz tendo em vista a concretização bem sucedida da privatização”.

A ainda CEO da TAP já contestou a demissão e ameaça recorrer à justiça. Alega que nem sequer foi ouvida pela Inspeção Geral de Finanças no âmbito do caso de Alexandra Reis.

Luís Rodrigues é o novo CEO da TAP

- Publicidade -

O Ministro das Infraestruturas, João Galamba, anunciou que o substituto de Christine Ourmières-Widener já está escolhido. É Luís Rodrigues, que sai da Administração da SATA para presidente do conselho de administração da TAP, onde, aliás, já foi gestor.

Galamba referiu que os três grandes desafios do novo presidente executivo da TAP são “devolver a confiança na TAP e a paz social e continuar a implementar com sucesso o plano de reestruturação”, “conduzir o processo de abertura e de privatização e de capital da TAP” e “a condução com sucesso das negociações com as estruturas sindicais e com os trabalhadores da TAP”.

As demissões acontecem na sequência do caso Alexandra Reis. O relatório da Inspeção-Geral da Finanças, divulgado por Fernando Medina, conclui pela nulidade do acordo celebrado em janeiro de 2022 e a ex-gestora da TAP. Alexandra Reis terá que devolver a indemnização de 500 mil euros.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor