Terça-feira,Maio 21, 2024
11.6 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Greve dos médicos

Ministro preocupado com greve dos médicos

foto greve dos médicos
Foto DR

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, reconheceu que a greve dos médicos marcada para março o preocupa, mas disse acreditar ser possível encontrar “pontos de consenso suficientes” nas negociações para evitar estas formas de luta.

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) afirmou na quinta-feira que está de “boa-fé” nas negociações com o Governo, mas assegurou que mantém a greve marcada para 08 e 09 março devido ao “impasse” deste processo. Os médicos acusam Ministério da Saúde de “falta de compromisso” e de só avançar com medidas “paliativas” para o SNS. Mas, o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, salienta que há uma agenda negocial acordada entre o Ministério da Saúde e os sindicatos que decorrerá até junho e que tem “muita expectativa” de que seja possível encontrar até lá “muitas plataformas de entendimento” para que essas formas de luta não sejam necessárias.

À margem da inauguração a escultura “Heróis da Pandemia”, promovida pela Ordem dos médicos em homenagem aos clínicos, o ministro da Saúde insistiu que “um tango se dança a dois, uma negociação faz-se a dois, a garantia que eu dou é disponibilidade para o diálogo”.

Em relação aos protestos de quinta-feira à porta do Ministério da Saúde, o ministro disse que estava na reunião de Conselho de Ministros, mas que vê televisão e lê jornais, estando ao corrente das diferentes reivindicações.

“Nós estamos a negociar com o conjunto das profissões da saúde, nuns casos com mais sucesso, noutros casos ainda com um pouco mais de atraso, mas nós reconhecemos a importância dos profissionais e a sua valorização”, afirmou, sublinhando que a disponibilidade do ministério é “negociar de boa-fé com as várias classes profissionais”.

- Publicidade -

O ministro disse ainda que estes anos de pandemia foram “muito exigentes” para os portugueses, “mas foram anos duplamente exigentes para os profissionais de saúde, que tiveram de estar muito mobilizados, sofreram muito desgaste e isso agora tem de ser compreendido e compensado”.

Destacou o acordo realizado com a grande maioria dos sindicatos dos enfermeiros, alcançado no mês de dezembro e cujo processo continua em curso, de revalorizar a carreira de cerca de 20.000 enfermeiros cuja posição remuneratória foi valorizada.

Nalguns casos, os enfermeiros estavam a trabalhar desde 2004 sem essa a valorização, disse, considerando que “é uma mudança muito significativa” que a classe profissional reconhece, lembrando que a portaria com as regras de funcionamento da Direção Executiva do SNS vai ser publicada nas próximas semanas.

- Publicidade -
Alfredo Miranda
Alfredo Miranda
Jornalista desde 1978, privilegiando ao longo da sua vida o jornalismo de investigação. Tendo Colaborado em diferentes órgãos de Comunicação Social portugueses e também no jornal cabo-verdiano Voz Di Povo.

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor