Terça-feira,Maio 21, 2024
11.6 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Incêndios florestais já originaram 45 detenções

Quarenta e cinco pessoas foram detidas este ano pelo crime de incêndio florestal, revelou o ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, avançando que mais de metade dos fogos que deflagraram este ano tiveram como causa a negligência.

Incêndios florestais já originaram 45 detenções
DR

Na comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades Garantias, onde está a ser ouvido, José Luís Carneiro referiu que, nos primeiros cinco meses do ano, ocorreram 3.457 incêndios rurais, 98% com intervenção humana e 64% com negligência, tendo sido detidas 45 pessoas.

Dando conta do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), que na época mais critica, entre 01 de julho e 30 de setembro, terá no terreno 13.891 operacionais, mais 974 que me 2022 e 2.990 veículos, mais 157 que em 2022, o governante considerou que “o essencial tem a ver com os comportamentos”.

“Por maior que seja o dispositivo, entrará sempre em stress a partir de 150 ignições diárias”, frisou José Luís Carneiro, apelando para que se evite incêndios.

O governante afirmou também que o planeamento efetuado para o DECIR deste ano “teve em conta as previsões de agravamento meteorológico”, além de ter sido incorporado o resultado “das lições aprendidas no ano anterior”.

Como exemplo, referiu a criação de equipas regionais multidisciplinares para os incêndios de grande complexidade e com maior segmentação de funções na proteção de pessoas, bens e frente florestal.

- Publicidade -

O ministro disse ainda que a Força Aérea está “a procurar reforçar os meios aéreos para além dos 60 do ano passado”.

O DECIR deste ano previa 72 meios aéreos, mas atualmente, segundo o ministro, estão ao serviço 55 aeronaves.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor

A Aceitação