Segunda-feira,Abril 22, 2024
8.7 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Internamentos Sociais ocupam 1675 camas hospitalares

Um total de 1.675 camas dos hospitais públicos estavam, em março, ocupadas por pessoas internadas apenas por razões sociais, um aumento de 60% dos internamentos inapropriados que deve custar ao Estado 226 milhões de euros este ano.

Internamentos sociais ocupam 1675 camas hospitalares
DR

Em março, os hospitais do Serviço Nacional de Saúde tinham 1.675 camas ocupadas por pessoas internadas por motivos sociais, número que se traduz num aumento de 60 por cento destes internamentos. Este ano, os custos deste fenómeno para o Estado devem ascender a 226 milhões de euros. É o que indica o Barómetro de Internamentos Sociais apresentado esta sexta-feira em Lisboa.

Em março de 2022, segundo o Barómetro de Internamentos Sociais, o número de camas ocupadas por casos de internamento social era de 1.048.

O estudo contou com a participação de 39 unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde, com um conjunto de 19.462 camas, ou 88 por cento da capacidade global do sistema público. O Barómetro de Internamentos Sociais foi efetuado pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH), em parceria com a EY e com o apoio da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna e da Associação dos Profissionais de Serviço Social (APSS).

“Os internamentos inapropriados nas unidades hospitalares do SNS aumentaram este ano, assim como os custos associados a estes casos, que se explicam por atrasos, quer na admissão para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), como na admissão para Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI)”, indica em comunicado a Associação de Administradores Hospitalares.

À data da recolha dos dados, 20 de março, os internamentos sociais representavam 9,4 por cento do total em hospitais portugueses, excluindo-se as unidades psiquiátricas. Isto com um custo para o Estado calculado em cerca de 52 milhões de euros – em março de 2022, este custo era de 19,5 milhões.

- Publicidade -

“Extrapolando este cenário para o total do ano de 2023, os internamentos inapropriados podem ter um impacto financeiro de mais de 226 milhões de euros”, advertem os administradores hospitalares.

Ao todo, registam-se 102.807 dias de internamentos ditos inapropriados, num acréscimo de 228 por cento face ao sexto barómetro, conhecido no ano passado. São considerados internamentos inapropriados os casos de doentes com alta que permanecem hospitalizados por razões alheias a problemas de saúde.

O “enorme aumento”, aponta o barómetro, “resulta particularmente do aumento da demora média dos internamentos inapropriados” – de 29,9 dias em 2022 para 61,4 em 2023. A “principal causa” é “o atraso na obtenção de vaga para ERPI”.

“Temos mais doentes a aguardar vaga na RNCCI, mas aqueles que aguardam por vaga em ERPI aguardam mais tempo”.

As regiões a braços com os maiores números de internamentos deste tipo são Lisboa e Vale do Tejo, com 34 por cento, e o Norte, com 45 por cento; em conjunto, representam mais de oito em cada dez casos de utentes internados sem razões clínicas.

Recuperar soluções

O presidente da APAH, Xavier Barreto, considera que os resultados apontam para um recuo “nas respostas aos internamentos inapropriados”.

“É urgente recuperar soluções concertadas entre os setores da saúde e da segurança social, encontrando respostas adequadas para estes doentes. Por uma questão de eficiência e boa gestão dos recursos públicos, mas acima de tudo por uma questão de qualidade dos cuidados prestados”, afirma o responsável, numa posição citada no comunicado.

Xavier Barreto sustenta também que “importa revisitar os investimentos previstos no Plano de Recuperação e Resiliência no sentido de perceber em que medida contribuem para responder a este desafio de saúde pública e social”.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor

19.04.2024