Sábado,Julho 20, 2024
30.6 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Khemisset, ou o país berbere

A gente chega e são ruas traçadas geometricamente em paralelas e perpendiculares, fez-me lembrar Espinho.

Da arquitetura, nada releva. É uma cidade permanentemente coberta pelo pó que os ventos sopram do deserto, tudo em tom amarelado.

Vila Khemisset
Foto Cristina Padrão

É o sítio do país berbere onde desde sempre se mercanciam os tapetes de origem artesanal, familiar. Chegam de todos os arredores e são comprados no souk das terças-feiras ou por encomenda pelos comerciantes com estabelecimento na kissaria, mercado aberto todos os dias no centro da cidade.

tapetes Khemisset
Foto Cristina Padrão

Na avenida central, o café Titanic. Onde às 11h da manhã ainda chegou o pão fresco, que ao pequeno-almoço comem-se crepes, ovos estrelados, pasta de azeitona e afins.

A empregada do Titanic é inesquecível, uma jovem com cabelo ruivo tintado, sobrancelhas desenhadas em ângulo oblíquo, maquiagem carregada que de tão feia se tornava atraente, é difícil explicar.

É difícil explicar Khemisset, terra de mercadores onde quase todos só falam língua árabe ou berbere, mas cujo espírito de hospitalidade passa além das barreiras linguísticas. Se estamos lá, somos hóspedes. É simples.

- Publicidade -

Estando lá, aprende-se dos tapetes. Que os que compram no souk não estão acabados, têm que passar por processo de queima e de lavagem posteriores.

Khemisset é lugar de gente terra-a-terra, é meu privilégio ter por lá passado.

praça Khemisset
Foto Cristina Padrão
- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor