Domingo,Maio 26, 2024
12.5 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Marcelo Rebelo de Sousa gere crise política em silêncio e António Costa fala em menos ficção

O silêncio do Presidente da República à comunicação social nesta quarta-feira, só foi quebrado ao final do dia, quando saiu do Palácio de Belém, a pé, para ir a um restaurante na zona.  Marcelo resistiu: “hoje não falo”. Já na volta, a comer um gelado, foi falando da agenda no exterior até à próxima semana entre as tentativas dos jornalistas para se pronunciar sobre as relações institucionais com o primeiro-ministro, após a opção de António Costa em não aceitar a demissão do ministro João Galamba. É preciso ter calma, e não dar o corpo pela Alma”, disse. Manteve-se assim o comunicado do Presidente da República, onde ficou claro que não concorda com a decisão de António Costa.

DR

Esta discordância gerou um frenesim entre os partidos da oposição, que se desdobraram em declarações e posições políticas durante toda esta quarta-feira, enquanto que o Governo estava em peso pelo distrito de Braga, onde realiza esta quinta-feira a reunião do Conselho de Ministros. João Galamba não foi de véspera mas estará presente no encontro semanal. 

E, obviamente que as divergências com o Presidente da República sobre o caso Galamba, teve o seu pequeno momento.  Questionado pela RTP se temia um telefonema do Presidente da República sobre eventual dissolução do parlamento ou mesmo a demissão do Governo,  o primeiro-ministro disse nunca temer um telefonema do presidente e que “até é um gosto”. 

Mas, entre elogios ao azul do céu, deixou um comentário: “a vida política é menos ficção e mais normal do que se possa pensar”.

Já em Lisboa, o líder do PSD, Luís Montenegro, não poupou palavras para acusar António Costa de “ter ensaiado fuga para frente a ver se provoca eleições antecipadas”. Em reação à sucessão de acontecimentos desta segunda-feira, Luís Montenegro diz que respeitará a decisão do Presidente da República, mas não revela pressa. “Não pedimos eleições mas não as recusaremos”, afirmou.

O presidente do Chega foi bem mais longe e defendeu a “dissolução da Assembleia da República”. Não hesitou em afirmar que o seu partido está “preparado para ser uma alternativa e para governar o país”. 

- Publicidade -

“O que vimos foi um certo desequilíbrio emocional, precipitação política e uma vontade de confronto que me leva a perguntar novamente se está bem”, disse André Ventura.

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, também disse que o partido está preparado “para qualquer cenário”, depois de admitir a “surpresa” com o conflito entre o presidente e o primeiro-ministro.

Os deputados únicos do PAN e do Livre defenderam que o cenário de realização de eleições antecipadas não é “bom para o país” nem a solução que os portugueses pretendem, lamentando as discordâncias públicas entre primeiro-ministro e Presidente da República.

O PCP também diz estar preparado para qualquer cenário. Paulo Raimundo sublinha que o mais importante é resolver os problemas da vida dos portugueses.

 

 
- Publicidade -
Manuela Teixeira
Manuela Teixeira
Jornalista Durante 35 anos com experiência em rádio, imprensa escrita e web jornalismo. trabalhou no jornal, Público, rádio TSF, Expresso, 24 Horas e Correio da Manhã, entre outros OCS. Como repórter foi correspondente à guerra na Bósnia, Kosovo e Timor. Só faz jornalismo com verdade, rigor e isenção. "Se não for assim, não é jornalismo!”

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor