Domingo,Maio 26, 2024
19.8 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Padre Américo Monteiro Aguiar

Padre Américo Monteiro Aguiar, nasceu em Galegos (Concelho de Penafiel), no dia 23 de Outubro de 1887, e faleceu em Campo (Concelho de Valongo), no dia 16 de Julho de 1956.

Padre Américo Monteiro Aguiar
DR

O Padre Américo foi baptizado no dia 04 de Novembro de 1887, com apenas 15 dias de idade (situação que era frequente no Século XIX e no início do Século XX), fez a Escola Primária na aldeia de Galegos, entretanto fez a Primeira Comunhão; em 1898, entrou para o Colégio do Carmo em Penafiel; em 1899, entrou no Colégio de Santa Quitéria em Felgueiras; em 1902 com o Curso do Liceu completo, trabalhou numa loja de ferragens no Porto; em 1906, Américo Monteiro de Aguiar vai para a província de Moçambique, onde vai trabalhar para uma companhia do Reino Unido em Chinde, na ocupação de despachante.

No ano de 1923, depois de 17 anos em África, surge uma “martelada” na vida de Américo Monteiro Aguiar: pretende seguir a vida eclesiástica. Assim, contacta o pároco de Penafiel (um amigo de infância) e entra no Convento de Santo António de Vilarino em Tui (Espanha), onde esteve apenas dois anos e aprendeu latim e ciências naturais. No entanto, havia o problema de Américo se adaptar à vida monástica, situação que não conseguiu…

Em 1925, tenta ingressar no Seminário do Porto, mas o prelado Dom António Barbosa Leão não o aceita, depois resolve contactar o bispo de Coimbra Dom Luís Coelho da Silva que o aceita. Forma-se em Teologia no Seminário de Coimbra e é ordenado sacerdote católico, dá aulas de Português, é capelão e pároco.

Em 1932, o bispo Dom Luís Coelho da Silva entrega a Sopa dos Pobres (havia sido fundada por Sidónio Pais em 1918) ao Reverendo Padre Américo Monteiro Aguiar. Assim, este benemérito sacerdote encontra a sua vocação, ajudar os pobres e as crianças órfãos da rua, situação que vai-se enquadrar consigo, da qual vai ter uma visão futurística, em 1935, e pensa no projecto da Obra da Rua – O Gaiato.

Em 1940, o Padre Américo funda a primeira Casa do Gaiato em Bujos (Concelho de Miranda do Corvo), a segunda Casa do Gaiato é fundada em Paços de Sousa, onde vai surgir a primeira Aldeia do Gaiato e depois o primeiro Lar do Gaiato no Porto; em 1942, é publicada a Obra da Rua; em 1944, aparece o primeiro número do jornal quinzenal do Gaiato; em 1948 é inaugurada a Casa do Gaiato em Lisboa; entre 1950 e 1954, o Padre Américo publica vários livros relacionados com a Obra da Rua; em 1955, é fundada a Casa do Gaiato em Setúbal; em 1956, faleceu num acidente de viação na aldeia de Campo.

- Publicidade -

O processo de Canonização do Padre Américo iniciou-se em 1986, já passou de Servo de Deus para Venerável, a caminho de ser Beato e Santo.

- Publicidade -
Luis Duque-Vieira
Luis Duque-Vieira
Colaborador desde a fundação d`ORegiões como Cronista sobre várias temáticas.

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor