Quarta-feira,Abril 17, 2024
17.1 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Padre António Vieira

O Padre António Vieira foi um religioso, diplomata, escritor e tradutor, que nasceu em Lisboa no dia 06 de Fevereiro de 1608 e faleceu em Salvador (Brasil) no dia 18 de Julho de 1697.

Padre António Vieira
Foto DR

Aos 6 anos António Vieira foi com a família para o Brasil, com 15 anos ingressou na Companhia de Jesus – Padres Jesuítas, aos 18 anos ensinava retórica no Colégio de Olinda, nunca deixando de estudar, estudou Teologia, Lógica, Metafísica e Matemática, também concluiu um mestrado em Artes.

O Padre António Vieira, foi ordenado sacerdote da Companhia de Jesus – Ordem dos Jesuítas aos 27 anos, aos 30 anos lecionava Teologia no Colégio de São Salvador.

O seu talento como escritor verificou-se muito cedo em 1626 com 18 anos, ao traduzir ao traduzir a Carta Ânua (relatório anual da Companhia de Jesu, relativo aos trabalhos da Província do Brasil).

Em 1641, Padre António Vieira fez parte da comitiva que veio prestar vassalagem na Província do Brasil ao Rei Dom João IV; em 1642 pregou o “Sermão dos Bons Amigos” na Capela Real (texto de teor político, onde criticou os 60 anos de domínio espanhol no Reino de Portugal), com esta situação conquistou a estima e admiração pelo Monarca Dom João IV; em 1646 é enviado como diplomata aos Países Baixos; em 1647 é enviado como diplomata para França.

O Padre António Vieira era defensor dos judeus, índios e negros, com isto foi perseguido pelo Tribunal do Santo Ofício – Santa Inquisição; conseguiu em Roma que os bens dos judeus não fossem confiscados pelo Santo Ofício.

- Publicidade -

Entre 1653 e 1661 está novamente no Brasil onde chefiou a missão do Maranhão, no Grão-Pará defendeu a liberdade dos povos indígenas e escravos. Escreve “Sermão do Primeiro Domingo da Quaresma” e “Sermão do Santo António aos Peixes”; em 1661 após um naufrágio onde o Padre António Vieira e a tripulação vão parar aos Açores (o destino era para Lisboa), nos seus dois meses de estadia profere sermões na ilha Terceira e na ilha de São Miguel; entre 1662 e 1667 o Santo Ofício persegue novamente o Padre António Vieira por causa dos seus livros “Esperanças de Portugal”, “Quinto Império do Mundo”, “Primeira e Segunda Vidas de El-Rei Dom João IV”, “História do Futuro” e “Chaves do Profeta”; entre 1665 e 1667 fica recluso no Colégio dos Jesuítas em Coimbra; entre 1667 e 1669 fica preso na Casa do Noviciado em Lisboa; em 1669 está em Roma nos Estados Pontífices e consegue negocial com a Santa Sé, e assim suspender a actividade da Santa Inquisição em Portugal entre 1675 e 1681; em 1681 está novamente no Brasil em Baía onde apresenta problemas de saúde; em 1688 exerceu a função de Visitador-Geral das Missões do Brasil e continua com os seus escritos (livros, sermões e cartas).

- Publicidade -
Luis Duque-Vieira
Luis Duque-Vieira
Colaborador desde a fundação d`ORegiões como Cronista sobre várias temáticas.

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor