Domingo,Maio 26, 2024
19.8 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Presos em Lisboa criminosos que vigarizavam investidores brasileiros

Uma operação conjunta da polícia do Brasil e da Interpol cumpriu sexta-feira dois mandados de prisão preventiva em Lisboa, e bloqueio de bens bancários de elementos de uma alegada organização criminosa que aplicava golpes a investidores brasileiros.

Presos em Lisboa criminosos que vigarizavam investidores brasileiros
DR

A Polícia Civil do Distrito Federal informou, em comunicado emitido no Brasil, que realizou a segunda fase da operação Difusão Vermelha em que foram cumpridos cinco mandados de prisão preventiva também pela Interpol em Lisboa, Alemanha e República Checa, “desarticulando uma organização criminosa sediada em Portugal e investigada por falsos investimentos” em ‘Forex’ e ‘Day Trade’.

Segundo as autoridades brasileiras, os criminosos, embora sediados em Portugal, actuavam apenas no Brasil, onde se encontravam as suas vítimas.

Segundo o comunicado da polícia brasileira, também foram cumpridas novas medidas de bloqueio de contas bancárias e ‘criptoativos’, bem como determinado à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), órgão regulador das telecomunicações no Brasil, a implementação de obstáculos tecnológicos que impeçam o acesso a ‘websites’ dos criminosos a partir do território brasileiro.

A autoridade policial brasileira explicou que após as primeiras prisões, realizadas em março passado, a investigação apurou que os criminosos tentaram reorganizar-se, efetivando a substituição dos líderes presos e reinício das atividades.

“No mesmo giro, foi possível descobrir a identidade do maior golpista que efetivamente havia gerado os maiores prejuízos a vítimas brasileiras, uma delas perdendo 1,5 milhão de reais (282 mil euros) e um casal residente no Distrito Federal que perdeu cerca de 630 mil reais (118,3 mil euros)”, lê-se na nota, acrescentando que um criminoso, que não foi identificado, ligava às vítimas no Brasil, apresentando-se como um analista de investimento chamado Rafael Fonseca.

- Publicidade -

“Com o avanço da apuração identificou-se seu verdadeiro nome, bem como que estaria branqueando dinheiro por meio de uma banda de samba e um restaurante em Portugal. O outro brasileiro também preso nesta manhã era um dos gerentes do esquema ligado diretamente” ao checo “detido na primeira fase”, acrescenta a Polícia Civil do Distrito Federal.

Processos de extradição

Todos os detidos na primeira fase aguardam o processo de extradição que é desenvolvido a pedido do poder judiciário e intermediado pelo Departamento de Cooperação Internacional da polícia brasileira e do Ministério da Justiça.

Os dois presos também serão submetidos ao processo de extradição para responderem por seus crimes no Brasil.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor