Domingo,Julho 14, 2024
13.6 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Ministra da Saúde Acusada de Plágio em Proposta de Curso à Universidade de Lisboa

A ministra da Saúde, Ana Paula Martins, encontra-se no centro de uma controvérsia após alegações de plágio na sua proposta de criação de um curso avançado na Universidade de Lisboa. O jornal Público revelou que a ministra transcreveu e traduziu trechos de um curso da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres para o seu relatório de licença sabática, apresentado em dezembro de 2023.

Ana Paula Martins, antes de se tornar ministra, foi professora na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa e coordenou o Centro de Farmacovigilância da mesma instituição. Durante a sua licença sabática, entre dezembro de 2020 e dezembro de 2021, elaborou um plano curricular estratégico para um novo programa de formação avançada em Farmacoepidemiologia e Farmacovigilância, inspirado diretamente no curso que frequentou em Londres entre 2020 e 2022.

O Público destaca que o relatório de licença sabática, entregue a 29 de dezembro de 2023, continha passagens transcritas do curso inglês, sem qualquer menção de que se tratavam de traduções de outro programa. Este detalhe foi identificado pelo conselho científico da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, que detetou “três inconformidades” no documento, incluindo a “transposição de um programa pedagógico já existente numa universidade inglesa”. Contudo, apesar das irregularidades apontadas, o relatório foi aprovado por unanimidade pelo conselho científico.

A polémica levanta questões sobre a integridade académica e a transparência no processo de criação de novos programas de formação. O caso está a gerar debate tanto na comunidade académica como no público em geral, com pedidos de esclarecimento e possíveis consequências para a ministra.

Ana Paula Martins ainda não fez declarações públicas sobre as alegações, e não se sabe se a Universidade de Lisboa tomará medidas adicionais em resposta a estas revelações. Este incidente coloca em causa a credibilidade dos processos académicos e levanta questões sobre a ética na reprodução de conteúdos educativos.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor