Domingo,Julho 14, 2024
13.6 C
Castelo Branco

- Publicidade -

Porto de Sines e complexo industrial e portuário do Pecém (Brasil) criam corredor verde

O Porto de Sines, em Setúbal, e o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, no Brasil, estabeleceram esta sexta-feira um memorando de entendimento que visa a criação de um corredor verde para a troca de produtos agroalimentares, siderúrgicos e energéticos

Esta iniciativa insere-se no âmbito do Global Gateway, lançado em 2021 pela Comissão Europeia, que visa promover ligações inteligentes, limpas e seguras nos setores digital, energético e dos transportes, prevendo mobilizar 300 mil milhões de euros até 2027.

O memorando foi assinado por José Luís Cacho, presidente da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS), e Hugo Figueiredo Júnior, presidente do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CPI). Esta parceria pretende desenvolver um ‘hub’ logístico entre Angola e Brasil, reforçando a conectividade dos portos de Sines e Pecém e as ligações de Sines à Europa, focando-se no agronegócio, matérias-primas siderúrgicas e hidrogénio verde.

Durante a cerimónia, José Luís Cacho destacou que a Global Gateway é uma oportunidade para Sines ampliar a sua conectividade global, com foco no Atlântico Sul, e garantir investimentos industriais e logísticos essenciais para a sustentabilidade futura do porto e para o crescimento económico do país. Salientou também que o memorando reforça a conectividade dos portos envolvidos, facilitando a troca de produtos agrícolas, siderúrgicos e energéticos entre os continentes.

Hugo Figueiredo Júnior, por seu lado, realçou os projetos em curso no Estado do Ceará, como o hub de hidrogénio verde e a ferrovia Transnordestina, que transformarão a economia regional e nacional. A posição estratégica do Ceará é destacada como competitiva para a produção de hidrogénio verde, a ser exportado na forma de amónia para a Europa e Ásia. A ferrovia Transnordestina, que liga o interior do Piauí ao Porto do Pecém, facilitará o escoamento de soja, milho, algodão e minérios para o mercado global, especialmente europeu.

A parceria entre os portos de Sines e Pecém é vista como um catalisador para agregar valor aos produtos, integrar cadeias produtivas e impulsionar o desenvolvimento conjunto, gerando emprego e novas oportunidades de negócios. António Vicente, Alto Representante da Comissão Europeia, afirmou que esta colaboração aproxima ainda mais as economias brasileira, portuguesa e da União Europeia, criando novos corredores para o hidrogénio verde, aço e bens alimentares, utilizando a digitalização para reduzir custos logísticos.

- Publicidade -

Hugo Espírito Santo, secretário de Estado das Infraestruturas, presente na cerimónia, destacou que o memorando está alinhado com a visão de crescimento do atual Governo, visando a criação de novas rotas marítimas e posicionando o Porto de Sines como um hub europeu de excelência.

Este memorando de entendimento estabelece as bases para uma ação conjunta que desenvolverá corredores logísticos sustentáveis, verdes e digitais, centrados em três pilares essenciais: resiliência logística, resiliência energética e conectividade física e digital.

- Publicidade -

Destaques

- Publicidade -

Artigos do autor